100%

Câmara aprova terraplenagem em benefício de comunidade quilombola

Câmara aprova terraplenagem em benefício de comunidade quilombola Moradores beneficiados pelo programa acompanharam a votação do projeto nesta segunda, dia 25
Por unanimidade, os vereadores autorizaram nesta segunda-feira, dia 25, o governo municipal a realizar obras de terraplenagem para construção de 44 casas populares em área rural remanescente de quilombolas situada nas localidades de Macaco Branco, Cachoeira, Bom Jardim e Faxinal.

O projeto 36/2018 prevê que máquinas e servidores do Município poderão atuar nas seguintes etapas de execução: limpeza, desbaste ou nivelamento das áreas; aterro de alicerce e vigamento; e escavação para aplicação de foças e sumidouros. Orçadas em R$ 38 mil cada, as unidades serão erguidas com recursos do Programa Minha Casa Minha Vida, conforme contrato assinado entre a Associação Quilombola Macaco Branco e Bom Jardim e a Caixa Econômica Federal.

Na justificativa ao texto, o prefeito Renato Chagas (PDT) afirma que o serviço a ser realizado pela Prefeitura é de baixa complexidade, por isso será necessário apenas uma retroescavadeira e um caminhão. “Trata-se de área remanescente de quilombos, que residem em condições desfavoráveis e são subsidiados pela agricultura local. Alguns inclusive vivem em situação de risco”, sustenta o chefe do Executivo.

Os objetivos do empreendimento habitacional, diz o prefeito, visam promover um conjunto de atividades de forma integrada, informativa e educativa, com o desenvolvimento social e o movimento articulado, o crescimento comunitário, a gestão participativa e a sustentabilidade das famílias beneficiadas.
 
Debates
Um dos líderes que articularam o projeto, Jorge Rodrigues Flores (PSB) destacou que a ajuda da Administração Municipal é fundamental, porque as famílias não teriam condições de pagar pela terraplenagem. “Isso vai trazer dignidade, vai fazer as pessoas sorrirem e acreditarem num futuro melhor. Lutaremos pela qualidade de vida dessas comunidades”, disse o socialista, que atribui a vitória também ao Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial.

João Pedro (PT) comentou que tudo tem origem na formação da associação quilombola, tarefa em que colaborou encaminhando o registro cartorário. “A formalização da entidade permitiu que a comunidade tivesse acesso a programas para construção de 30 unidades e, agora, mais 44. Aliado a isso, os moradores têm desenvolvido projetos sociais e, em breve, teremos oficina de estofaria para ensinar uma profissão.” Aos moradores, ele deixou um apelo para que fiscalizem bem de perto o andamento das casas.

Para Adair Rocha (MDB), a ajuda até vem tarde, porque foram anos de espera. “Esse é um direito de vocês. É um benefício para quem realmente merece.” José Wogt (PDT) recordou que sempre se preocupou com a comunidade quilombola, tanto é que fez emendas ao orçamento do Município para futura construção de posto de saúde no Macaco Branco. “Esse projeto de lei, na Comissão, teve todas as inconformidades superadas. Do projeto das casas, todos que serão beneficiados fazem parte da luta, que hoje tem uma grande vitória.”
 
Esforço coletivo
Gerson Roza (MDB) observou que tanto o vereador Jorginho quanto a comunidade de Macaco Branco estão de parabéns, porque a edificação das casas é resultado de esforço coletivo em que prevaleceu a união. Davi Fernandes (SD) comentou que o investimento é mais do que justo, porque o país ainda tem dívidas com os descendentes de quilombolas. Paulo Bonini (Progressistas) citou a participação da Emater no desenvolvimento dos projetos.

Luiz Bandeira, o Salgadinho (SD), fez um apelo que, a partir das casas novas, as famílias dobrem a atenção e os cuidados em relação às crianças, principalmente para mantê-las afastadas da violência e das drogas. “Em outros empreendimentos feitos pela prefeitura, infelizmente isto ocorreu. Lutem para que não ocorra o mesmo em suas comunidades.”

O presidente da Câmara, Kiko Hoff (PDT), destacou que projetos como esse é que o fazem sentir orgulho de exercer a vereança. “Somente é criticado quem faz algo. Sonho com a transformação da cidade. Sonho com asfalto até a Sanga Funda, o Socorro e o Sertão Capivara. Aí sim teremos desenvolvimento e melhores condições de saúde para as nossas crianças.”
Protocolos desta Publicação:Criado em: 26/06/2018 - 12:22:44 por: Marcelo Ricardo Fiori - Alterado em: 26/06/2018 - 12:22:44 por: Marcelo Ricardo Fiori

Notícias