100%

Câmara conquista parceria do Procon para cobrar melhorias da RGE

Câmara conquista parceria do Procon para cobrar melhorias da RGE Direção do Procon RS recebeu a comitiva da Câmara na manhã desta sexta-feira
O Poder Legislativo de Portão conquistou nesta manhã o apoio do Procon RS à mobilização que cobra da RGE Sul um melhor atendimento. Visita do presidente Diego Martins e dos vereadores Paulo Ricardo Bonini e Alexsandro Argenta, o Leco, manifestou as centenas de queixas dos portonenses quanto aos serviços prestados pela concessionária de energia elétrica.

A diretora do órgão estadual, Maria Elizabeth Pereira, o coordenador de assuntos municipais, Antônio Lavall, e a assessora jurídica, Luciane Disconzi, relataram que Portão — mesmo sem representação presente —, foi citado várias vezes em audiência que a entidade e a Associação dos Municípios do Vale do Rio Caí (Amvarc) realizaram no último dia 26 para debater as falhas de atendimento e fornecimento de energia elétrica e telefonia na região.

Conforme Diego, a Câmara irá oficiar ao Procon para formalizar as demandas da população portonense e, a partir disto, engajar-se às discussões no âmbito da Amvarc, cujo próximo passo será uma reunião na UCS de São Sebastião do Caí, em abril. Neste sentido, Maria Elizabeth afirma que já há encaminhamentos: “Para este encontro, o compromisso da RGE é apresentar um plano de ação com as medidas a serem adotadas em cada um dos 20 municípios do Vale do Caí”.

A diretora do departamento disse ainda que os problemas enfrentados em Portão — dificuldade de comunicação com a companhia, além da demora para restabelecer a energia, trocar postes e podar árvores — ocorrem em todas as regiões em que a RGE Sul atua. Segundo ela, caso a empresa não melhore os serviços, o Procon pode instaurar processo administrativo pedindo que a concessão seja rescindida. “O direito do consumidor à informação é básico. Se vai faltar luz, é necessário comunicar.”
 
Um problema grave
Leco comentou que a concessionária de energia tem sido relapsa até no trato institucional com os vereadores, que são contatados já nas primeiras dificuldades de comunicação entre os clientes e a RGE. “Estamos aqui porque não temos mais a quem recorrer. A rede é muito vulnerável às intempéries. Qualquer vento já cai a luz”, lamenta.

Bonini, por sua vez, ponderou que na zona rural a situação é ainda mais grave, porque os agricultores são os últimos na fila de prioridades quando ocorre situação de calamidade. “Só que para eles, não é somente uma falta de luz. Muitas vezes, é a perda da produção, ou seja, da fonte de sustento.”

Os compromissos que serão firmados pela RGE perante os municípios do Vale do Caí serão monitorados pelo órgão estadual, a exemplo do que já vem sendo feito em relação ao Vale do Taquari. Ainda assim, qualquer cliente insatisfeito com os serviços pode registrar sua queixa ao Procon RS através do site, acrescentou Maria Elizabeth. A resposta vem em até 10 dias.
Protocolos desta Publicação:Criado em: 08/03/2019 - 17:24:54 por: Marcelo Ricardo Fiori - Alterado em: 08/03/2019 - 17:24:54 por: Marcelo Ricardo Fiori

Notícias